Outra Economia Acontece

Loading...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Cooperativa de Radiodifusão resiste e continua a transmissão em Honduras!

Lula em visita a Honduras (antes do Golpe)


A Emisora autogerida pelos trabalhadores a trabalhadoras de radiodifusão de Honduras organizados na Cooperativa de Locutores Primeiro de Dezembro (Cooperativa de Locutores Uno de Diciembre) tem buscado por diversas formas continuar a noticiar os acontecimentos em Honduras. Já que o governo golpista de Micheletti decretou no dia de hoje, que todos os direitos civis estão suspensos durante 45 dias.


A economia gerida pelos trabalhadores e trabalhadoras lutando pela volta de Zelaya e pela derrota de Michelleti e todos os golpistas, incluindo, aí a Igreja Católica de Honduras que está com os golpistas.

O governo Micheletti (que não é como a imprensa brasileira - Folha, Estado de São Paulo e Rede Globo - governo de fato, mas sim, golpista) dá mais uma vez sinais claros para o mundo do caráter ditatorial de seu governo e de seu regime político. Através da decretação de estado de sítio, da restrição das liberdades individuais e com o fechamento do canal 36 (Cholusatsur) de televisão e de diversas rádios pelo país.

Nesse momento, Honduras não deve e nem pode se submeter a tentativa de agenda de eleições, imposta pelos golpistas, mas sim, que retorne Zelaya e a convocação de uma Assembléia Constituinte Soberana, com observadores internacionais.

Veja um conjunto de matérias e fotos sobre o Golpe de Estado em Honduras, produzidos pelo TeleSur.

Segue abaixo links que até o momento estão funcionando:

http://www.radiouno830.es.tl/
http://www.radiomundoreal.fm/?lang=es
http://radioprogresohn.com/
http://www.telesurtv.net/noticias/canal/senalenvivo.php

JORNADA MUNDIAL PELO TRABALHO DECENTE - 07 DE OUTUBRO

7 de Outubro: Jornada Mundial pelo Trabalho Decente

Trabalhadoras e Trabalhadores do mundo exigem medidas contra a precariedade no trabalho. Nas Américas, se esperam atividades simultâneas em mais de 15 países.

SÃO PAULO (24 Setembro 2009) – O continente americano se mobiliza no próximo dia 7 de Outubro para exigir dos governos da região políticas de promoção do trabalho decente. As centrais sindicais afiliadas a Confederação Sindical dos Trabalhadores(as) das Américas (CSA) vão realizar atividades na Jornada Mundial pelo Trabalho Decente promovida pela Confederação Sindical Internacional (CSI).

No mundo, as atividades do 7 de Outubro alcança mais de 130 países que pretendem repetir a organização em massa do ano passado. Em 2008, 216 organizações sindicais nacionais realizaram mais de 600 atividades para a Jornada Mundial pelo Trabalho Decente. Milhares de pessoas participaram em concentrações, reuniões nos lugares de trabalho e eventos especiais ao longo do dia.

Neste ano, se espera que as maiores mobilizações sejam realizadas nas Américas. “A maior parte das afiliadas da CSA promoverão atividades dentro do mesmo tema, ou seja, a resposta à crise depende do respeito aos direitos fundamentais do trabalho e uma reforma profunda da economia global”, declarou o secretario geral da CSA, Víctor Báez Mosqueira.

As centrais sindicais da Argentina, Colômbia, Perú, Brasil, México, Chile, Venezuela, Equador, Panamá, El Salvador, Nicarágua, República Dominicana, Guatemala, Paraguai e Canadá anunciaram atividades para exigir dos governos da região políticas de trabalho decente. Os eventos na região podem ser acompanhados no site da Jornada nas Américas (www.csa-csi.org/trabajodecente). No dia 7 de Outubro, uma radio web no site da CSA transmitirá notícias ao vivo em cada país.

No Brasil, as centrais sindicais (CUT, UGT e Força Sindical) preparam a Sexta Marcha dos Trabalhadores em Brasília. A estimativa é reunir pelo menos 30 mil trabalhadores das principais localidades do país na capital federal para reivindicar seus direitos.

As mobilizações em toda a região terão seu epicentro em Buenos Aires onde será realizada a XVI Conferencia Interamericana de Ministros de Trabalho (CIMT – OEA). A CSA, juntamente com suas afiliadas CGT e CTA, anunciaram um ato público para exigir medidas contra o trabalho precário aos representantes ministeriais reunidos na capital argentina.



Para mais informações, Assessoria de Comunicação da CSA: +55 11 2104 0771 / CSI: +32 2 224 0204 o +32 476 621 018.

Sobre a CSA: A Confederação Sindical de Trabalhadores (as) das Américas (www.csa-csi.org) é a organização sindical mais importante do continente americano. Fundada em 27 de março de 2008, na Cidade do Panamá, estão afiliadas à confederação 66 organizações nacionais em 29 países, representando mais de 50 milhões de trabalhadores(as). A CSA é a organização regional da Confederação Sindical Internacional (CSI).

Sobre a Jornada Mundial pelo Trabalho Decente: O tema desse ano gira em torno da crise econômica e o fato de que a maior parte do mundo ainda está vivendo perdas importantes de postos de trabalho. Acompanhe as atividades do mundo em www.wddw.org

domingo, 27 de setembro de 2009

I ENCONTRO MUNICIPAL DE ECOSOL - VÁRZEA PAULISTA

Várzea realiza I Encontro Municipal de Economia Solidária

Referências nacionais da área prestigiarão o evento, entre elas o secretário nacional do Ministério do Trabalho e Emprego, Paul Singer

Com diversos projetos de Economia Solidária em vigor, Várzea Paulista realiza no dia 2 de outubro (sexta-feira) o seu primeiro seminário municipal sobre o tema. O evento será realizado das 8h30 às 17 horas e contará com a presença do secretário nacional de economia solidária, do Ministério do Trabalho e Emprego, Paul Singer; Sandra Praxedes, da rede de gestores de políticas públicas de Economia Solidária e do programa Osasco Solidária, entre outras referências nacionais da área.

A expectativa é que cerca de 200 pessoas do município e da região participem do evento, que tem como objetivo disseminar os valores da economia solidária, gerando novas formas de consumo e de relacionamento entre as pessoas. “O nosso objetivo é disseminar esses valores no município e criar um novo tipo de economia, que valoriza os potenciais de cada um”, explica a secretária adjunta de Assistência Social, Ginay Povoa.

Personalidade de destaque na área da economia solidária no Brasil e no mundo, Paul Singer abordará o tema “A Política Pública de Economia Solidaria como estratégia de inclusão e Emancipação Social”. As feiras de economia solidária também serão um assunto abordado, já que Várzea Paulista está vivenciando esta experiência, com a realização da primeira Feira de Trocas Solidárias municipal no início deste mês. “Estamos desenvolvendo uma forma das pessoas se conscientizarem se inserirem na sociedade, tornando os profissionais informais pessoas reconhecidas” , diz Luciane Mosca, diretora de Economia Solidária em Várzea Paulista.

Economia Solidária

Cooperação, fortalecimento do grupo, sem patrão nem empregado, cada um pensando no bem de todos e no seu próprio bem. Este é o ritmo de trabalho daqueles que trabalham de acordo com os valores da Economia Solidária. Este novo sistema é uma prática regida pelos valores de autogestão, democracia, cooperação, solidariedade, respeito à natureza, promoção da dignidade e valorização do trabalho humano, tendo em vista um projeto de desenvolvimento sustentável global e coletivo. Também é entendida como uma estratégia de enfrentamento da exclusão social e da precarização do trabalho, sustentada em formas coletivas, justas e solidárias de geração de trabalho e renda.


Paul Singer

Autor de mais de 20 obras, Paul Singer nasceu na Áustria, em 1932, numa família de pequenos comerciantes judeus. Iniciou seus estudos ainda em seu país de origem, tendo imigrado para o Brasil em 1940. Aqui, fez o curso técnico de eletrotécnica, trabalhou em indústrias como eletrotécnico e militou no movimento sindical. Como trabalhador metalúrgico, liderou a histórica greve que paralisou a indústria paulistana em 1953.
Posteriormente, estudou Economia na Universidade de São Paulo e iniciou sua atividade docente na USP, obtendo o grau de doutor em Sociologia. Entre 1966 e 1967, estudou Demografia em Princeton. Em 1968, apresentou sua tese de livre-docência e retomou suas atividades como professor da USP até ter seus direitos políticos cassados pelo AI-5 e ser aposentado compulsoriamente, em razão de suas atividades políticas, em 1969. Nessa época participou da fundação do CEBRAP - Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, que se constituiu em importante núcleo da inteligência brasileira de oposição à ditadura militar. Atuou no Cebrap até 1988, quando foi secretário Municipal de Planejamento de São Paulo.
Trabalhando recentemente com o tema da economia solidária, o professor Paul Singer assumiu a tarefa de implementar, desde junho de 2003, a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES), constituída pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego.

Programação:

8h30 - Credenciamento

9h30 - Café10h00 - Abertura e Composição de mesaVárzea Paulista suas experiências e resultados em Economia Solidária

11h:30 - A Política Pública de Economia Solidaria como estratégia de inclusão e Emancipação Social. – PROFº PAUL ISRAEL SINGER : Secretário Nacional de Economia Solidaria

13h00 - Almoço

14h15 - Nova Configuração do trabalho e a inserção de populações de baixa renda. Sandra Faé Praxedes. – Rede de Gestores Nacional, e Gestora Municipal de Osasco.

15h30 - Café

16h00 - Feiras de Economia Solidária “Fomento a Dignidade e ao Trabalho”.
Lilia Faria Coutinho – Gestora Pública do Município de Campinas, e coordenadora da Feira Regional de Economia Solidaria em Campinas.

17h00: Encerramento.

Nota: A prefeitura municipal de Varzea Paulista vem apostando na Economia Solidária, dando apoio e impulsionando diversos arranjos produtivos e empreendimentos economicos solidários. A Prefeitura realizou recentemente um processo de formação e capacitação dos funcionários, visando com que os mesmos, melhorem a aplicação das políticas públicas emancipatórias realizadas na cidade.

Leia a matéria sobre o processo de formação de servidos públicos de Varzea Paulista, em Economia Solidária.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A Igreja Católica e o Mercado Financeiro: O Banqueiro de DEUS

Hoje, no El Pais saiu uma matéria relatando a nomeação de Gotti Tedeschi como o presidente do Banco do Vaticano IOR (Instituto para as obras da religião). O detalhe importante, é que antes, de chegar a esse importante cargo, Gotti, foi quem dirigiu o Banco Santander da Itália, aquele mesmo, que esta espalhado por todo território brasileiro e cobra juros mais que abusivos de todos os trabalhadores e trabalhadoras.

Na matéria destaca também, que Gotti, é da Opus Dei - um supernumerario - e amigo de muitos poderosos italianos, incluindo é claro, a elite política italiana e o atual Papa. O mais interessante de tudo é que Gotti participou da Enciclíca Papal que pedia mais justiça social no mundo (publicamos a mesma nesse blog). Inclusive, é citada a ECOSOL na mesma.

Gotti, é um defensor da superioridade de um capitalismo inspirado na moral cristã (Católica), do que o inspirado na moral protestante. Será que é o capitalismo com inspiração cristã aplicado pelo Santander?

Ficando claro assim, a distância entre as palavras e seus atos!

Será que o Banco Santander a elite do mercado financeiro (responsável pela maior crise do pós II Guerra) quer a Justiça Social? Será que o Vaticano e seu Banco querem a busca de uma sociedade sem lucros, sem financeirização da economia?

Leiam a matéria sobre o "Banqueiro de Deus"

6. Feira Solidária de Produtos Artesanais, Guarulhos

Prefeitura de Guarulhos - Secretaria de Assistência Social e Cidadania

Convida você e sua família para:

6ª Feira Solidária de Produtos Artesanais

Local: Tenda do Bosque Maia – no final da Av. Paulo Faccini s/n centro Guarulhosdias 03 e 04 de outubro de 2009 das 11h às17h

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Produção Cultural e Economia Solidária: conheça o CUBO CARD


O que é o Cubo Card?


O Cubo Card é um sistema de crédito pautado pela troca de serviços e produtos na perspectiva da auto-sustentabilidade de coletivos culturais.Criado oficialmente em 2004, a princípio para o desenvolvimento do cenário musical, bandas autorais conseguiram receber cachês em cubo card. E através da moeda complementar, pagavam assessoria de comunicação, gravações, ensaios e etc, investindo no crescimento da própria banda. A partir daí, um mercado alternativo foi construído valorizando o trabalho cultural.Hoje o cubo card já tem disponível em seu sistema restaurantes, hotéis, curso de inglês, tatuagens, livros, ingressos de eventos, cerveja, refrigerante, água, serviços audiovisuais, assessoria de comunicação, spot´s, jingles, ensaios, papelaria, cd´s, locação de vídeos e etc.








Sistema solidário Cubo Card se intensifica e já oferece cardápio cultural


Criado em 2004, o Cubo Card é um sistema de crédito pautado pela troca de serviços e produtos na perspectiva da autossustentabilidade de coletivos culturais. A princípio, as trocas visavam ao desenvolvimento do cenário musical, bandas autorais conseguiram receber cachês em cubo card e pagavam assessoria de comunicação, gravações, ensaios etc, investindo no crescimento da própria banda. O resultado dessa iniciativa já é conhecido em Cuiabá (MT). Bandas e o cenário cultural ganham força com o sistema monetário alternativo. Atualmente, o Cubo Card já mantém disponível em seu sistema restaurantes, hotéis, curso de inglês, tatuagens, livros, ingressos de eventos, serviços audiovisuais, assessoria de comunicação, spots, jingles, papelaria etc. O que entra de receita no Coletivo Espaço Cubo é transformado em crédito, na seguinte proporção em relação à nossa moeda: 1 Cubo Card é igual a 1 real. Como resultado desta prática, surgiram ótimas bandas alternativas, por exemplo, o Macaco Bong, que em 2008 lançou seu primeiro cd, Artista Igual Pedreiro. E dando mais um exemplo de amadurecimento na gestão e organização, o sistema de crédito alternativo apresentou no primeiro semestre de 2009 um projeto para a Fundação Banco do Brasil, para pleitear um convênio com a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES) do Ministério do Trabalho.


Para se integrar, acesse www.cubocard.blogspot.com, www.espacocubo.blogger.com.br ou envie um email para cubocard@gmail.com

Fórum Paulista de ECOSOL apóia a Marcha em Brasília


O Fórum Paulista de Economia Solidária manifesta sua solidariedade e apóia o processo de organização e mobilização para a Marcha em Defesa do SUS e de uma Reforma Psiquiátrica antimanicomial, que se realizará em Brasília, no dia 30 de setembro de 2009.




quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Foi lançado o Selo de Integração da Amazônia


Fortalecimento da economia solidária

Val Sales - valsales@pagina20.com.br
16-Set-2009 - Página 20


Os empreendedores que formam a economia solidária no Acre se reuniram ontem de manhã na cantina do Corpo de Bombeiros para traçar novas estratégias de elaboração de projetos de ação e fortalecer a produção da área no Estado. Durante o encontro, a categoria fez o lançamento do Selo de Integração da Amazônia, a marca que passa a acompanhar todos os produtos fabricados pelo setor na região.

O representante da Central dos Empreendedores Solidários do Brasil (Unisol), Carlos Omar da Silva, disse se tratar da terceira reunião geral dos empreendedores da área, contando inclusive com membros do Fórum Brasileiro. “Temos a presença aqui de todos os afiliados da área da economia solidária do Estado. Juntos vamos montar estratégias de elaboração de projetos para fortalecer as ações de crescimento do futuro”, frisou.

Segundo ele, a criação do Selo de Integração da Amazônia vai servir para mostrar a origem dos produtos originários da região, assim como agregar cada vez mais valores ao que é produzido pelas mãos dos amazônidas. “O selo estará presente nas embalagens de produtos oriundos da agricultura familiar, artesanato, alimentação, cultura, pesca e outros itens da nossa Economia Solidária”, acrescentou.

O empreendedor Luiz dos Santos Poklen, possui uma empresa de extrato de ervas naturais da floresta amazônica em Senador Guiomard, voltado para a fabricação de bebidas, cosméticos e medicamentos. Segundo ele, além da discussão sobre o fortalecimento das ações, o encontro serve para estimular os empreendedores por meio da troca de experiências. “Todos estamos empenhados em promover o crescimento e o fortalecimento da produção no Estado e a Economia Solidária nos dá essa oportunidade”, ressaltou.

Entre os presentes na reunião, estiveram os representantes de Rio Branco, Capixaba, Senador Guiomard, Epitaciolândia, Porto Acre, Caquetá, e estrada Transacreana. O evento foi acompanhado de perto pelo gabinete do deputado estadual Taumaturgo Lima (PT), autor da Lei Estadual de apoio direto à economia solidária no Acre.

Coordenador do Pólis apresenta trabalho em conferência internacional de economia solidária

Nos dias 1º e 2 de outubro acontece na cidade de Östersund, na Suécia, a II Conferência Internacional de Economia Social do CIRIEC (Centro Internacional de Pesquisa e Informação em Economia Pública, Social e Cooperativa). O coordenador do Pólis Leandro Morais vai apresentar no evento um artigo escrito em parceria com o professor da Unicamp Miguel Juan Bacic.
O objetivo da pesquisa era o de analisar, a partir dos dados do Atlas da Secretaria Nacional de Economia Solidária, de que forma o programa de transferência de renda brasileiro Bolsa Família se relaciona com as dificuldades dos empreendimentos de economia solidária no país.
O texto foi fruto de pesquisas e de debates anteriores, que recentemente foram apresentados em outras conferências regionais das quais Morais participou nos últimos três meses, como expositor e debatedor, no México, na Colômbia, na Argentina e no Chile. Foi a partir destas conferências que Leandro foi selecionado para elaborar um documento para a conferência internacional na Suécia.
As conferências tratavam dos temas da economia social e solidária, das políticas públicas em sua área, do desenvolvimento local e territorial e das políticas de enfrentamento do desemprego – que são as áreas de pesquisa do coordenador do Pólis .Morais é também o representante do Brasil no Observatório Iberoamericano de Emprego e Economia Social (OIBESCOOP) www.oibescoop.org e, no Instituto Pólis, coordena o projeto “Novos Paradigmas de Produção e Consumo”, realizado com o pesquisador do instituto Adriano Borges.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Novo tempo com o Empreendedor Individual

Onze milhões de homens e mulheres que trabalham por conta própria no comércio, na indústria e na prestação de serviços começam a ter as suas atividades formalizadas em todo o país graças ao Programa do Empreendedor Individual.

Certamente esse será o tema mais discutido na sociedade durante os próximos cinco anos, com potencial para mudar o perfil do empreendedorismo no Brasil.

Em pouco tempo, borracheiros, doceiros, manicures, pipoqueiros, artesãos, caminhoneiros, costureiras, jardineiros, lavadores de carro, verdureiros e vidraceiros -dentre 170 ocupações de empreendedores individuais reconhecidas pelo Simples Nacional- de todas as unidades da Federação poderão formalizar gratuitamente o seu estabelecimento, de forma simples e sem burocracia. Para aderir a esse sistema inédito e inovador, o empreendedor precisa ter faturamento anual de até R$ 36 mil e, no máximo, um empregado.

Com esse programa, temos agora um grande instrumento de inclusão social, de acesso à proteção previdenciária e às políticas públicas. O objetivo do governo é resgatar a cidadania e contribuir para o crescimento desses trabalhadores como empresários.

O Empreendedor Individual é importante para o desenvolvimento nacional, estimula o mercado de trabalho e dá dignidade a milhões de trabalhadores e suas famílias.

Ao reconhecer os empreendedores como produtores de riqueza, permitindo-lhes um tratamento diferenciado, os governos federal, estaduais e municipais estão investindo em cidadania, na autoestima dessas pessoas e no desenvolvimento das economias locais.

Os pequenos empreendedores individuais podem ser legalizados com uma contribuição previdenciária de R$ 51,15 (11% do salário mínimo) e o pagamento simbólico de R$ 1 de ICMS ao Estado -para os que trabalham no comércio ou na indústria- ou de R$ 5 para o município, de ISS -no caso dos prestadores de serviço.

O que o pequeno empreendedor ganha com isso? Quero destacar que, ao formalizar a sua atividade, o trabalhador ganha a proteção da Previdência Social e passa a ter direito a aposentadoria por idade, aposentadoria por invalidez, auxílio-doença e salário maternidade. No ato da inscrição, sua família já fica protegida com pensão por morte e auxílio-reclusão, benefícios em que não há carência.

Além da cobertura previdenciária, os trabalhadores que aderirem ao Programa do Empreendedor Individual passam a usufruir de todas as vantagens do mundo formal.
Entre elas, é importante citar o acesso a linhas de crédito com juros diferenciados na rede bancária, a participação nas políticas públicas voltadas para o setor e a possibilidade de participar das compras governamentais, envolvendo todos os entes do pacto federativo.

Para ter uma ideia da importância dos empreendedores individuais, as micro e pequenas empresas geraram mais de 450 mil empregos em todo o Brasil somente no primeiro semestre de 2009. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego.

Ainda segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio de 2007, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad/IBGE), somente os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro têm 4.025.604 pessoas com perfil de empreendedor individual. A maior parte está no Estado de São Paulo, com 2.053.129. Minas Gerais tem 1.021.153, e o Rio de Janeiro, 951.322.
Houve um tempo em que o Estado olhava para os trabalhadores individuais com preconceito, tratando-os como fora da lei, sem importância para a produção nacional. Agora, esses batalhadores do dia a dia têm a atenção dos governos federal, estadual e municipal.
É um olhar diferenciado, em que o Estado expande sua proteção social, por meio da cobertura previdenciária, ao mesmo tempo em que oferece as condições e o estímulo necessários para que se tornem produtores de riquezas e de progresso para o país.

É necessário ressaltar o importante apoio do Sebrae e de diversas instituições em todo o país. Fundamental ainda é o papel das prefeituras que já estão implantando a sala do empreendedor em suas cidades e estimulando ainda mais a formalização de trabalhadores e trabalhadoras.
Mas é preciso que toda a sociedade e as forças políticas do país participem dessa verdadeira mobilização nacional pela formalização do empreendedor individual.

Essa é uma bandeira do Estado brasileiro que merece a atenção e o empenho dos que lutam pela melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores e do desenvolvimento do Brasil.
Essa iniciativa é mais uma prova de que o Brasil vive um novo tempo.
José Pimentel , advogado, deputado federal (PT-CE) licenciado, é ministro da Previdência Social.

Texto originalmente publicado na coluna Tendências/Debates do jornal Folha de S. Paulo em 08/09/2009.

domingo, 13 de setembro de 2009

ECOSOL de Fortaleza e a construção de um Marco Regulatório

A economia solidária em todo o país vem avançando em conquistas de políticas públicas que visam impulsionar, fortalecer e apoiar as práticas autogestionárias dos trabalhadores e trabalhadoras.
Na manhã de quinta-feira, dia 10 de setembro a coordenadora da Rede Cearense de Socioeconomia Solidária, Cristina Gusmão, o coordenador da equipe de Economia Solidária da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e representante da Prefeitura na Rede de Gestores, Marcos Arcanjo e Sandra Magalhães, representante do Banco Palmas estiveram presente no Plenária da Câmara Municipal, quando foi apresentado o projeto de lei deverá regulamentar a prática da Economia Solidária.
O vereador Ronivaldo, que apresentou o PL afirmou: "Este projeto é o acúmulo de lutadores que, há mais de 10 anos, constroem a Economia Solidária na nossa cidade. É um projeto com a colaboração de muitas mãos".

terça-feira, 8 de setembro de 2009

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Audiência com o Prof. Paul Singer, na Marcha em Brasília

A Marcha dos Usuários em Defesa do SUS e da Reforma Psiquiátrica teve uma importante confirmação de audiência a do Prof. Paul Singer, Secretário Nacional da Economia Solidária - MTE.

Os projetos/ empreendimentos de trabalho, protagonizados pelos usuários de saúde mental, vão a Brasília reivindicar um conjunto de políticas públicas de apoio, fomento e de uma Nova Legislação de Cooperativismo Social.

A Rede de Saúde Mental e ECOSOL, que é parte do Fórum Paulista de Economia Solidária, está organizando um ônibus, com apoio do Conselho Regional de Psicologia de SP, com diversos movimentos, associações e projetos (empreendimentos) do Estado de São Paulo.

Aprofundar a relação entre a Economia Solidária e a Saúde Mental é apostar na construção de um importante segmento econômico que é a do cooperativismo social. A Itália é onde o cooperativismo social tem forte presença econômica é onde também se consolidou as principais referência brasileiras no campo da Reforma Psiquiátrica.
Leia a publicação de 2005, do Ministério da Saúde e da Secretaria Nacional de ECOSOL (MTE) chamada: Saúde Mental e Economia Solidária: Inclusão Social pelo Trabalho.


quarta-feira, 2 de setembro de 2009